23 de jul de 2009

PROFISSÃO: “JUIZ DE FUTEBOL”

Poucas profissões são difamadas em escala equivalentes a de juiz de futebol.

Dificilmente um político, por exemplo, expõe-se ao coro de vaias da magnitude daqueles que explodem nos campos de futebol. O juiz de futebol como popularmente é chamado não pode se esconder, nem nas peladas ele é salvo, sem ele não há jogo. Ninguém fora do mundo arbitragem pode avaliar o grau de dificuldade que os árbitros enfrentam.

Foto: Collina venceu o troféu de melhor árbitro do mundo, atribuído pela IFHHS, em 1997, 1998, 2000, 2002, 2003, 2004 e 2005.

Cabe recordar que o juiz, membro do Poder Judiciário, não o árbitro de futebol, faz seu trabalho em um gabinete, com livros, revistas técnicas e arquivos de jurisprudências à sua disposição para consulta. As razões das partes em litígio estão no papel e são complementadas oralmente pelos respectivos advogados, durante as audiências. Suas decisões estão sujeitas a revisão em instâncias superiores (os tribunais), no todo ou em parte.

Isto é, se uma parte se julgar prejudicada, pode recorrer à instância superior para tentar mudar ou mesmo anular a sentença. E Sua Senhoria o árbitro de futebol? Ele trabalha sob sol, chuva ou neve, diante de grandes e irreverentes platéias. É obrigado a movimentar-se continuamente, de olho na bola e também nos 22 jogadores e ainda nos bancos de reservas para controlar as línguas afiadas de muitos técnicos. Sua decisão tem de ser instantânea. (A instantaneidade poderá cedo ou tarde ser exigida também dos demais juízes, se prosseguir a situação atual, de poucos juízes para montanhas de processos).

Não pode levar em conta o que dizem as partes, jogadores e torcedores exaltados. O juiz. Ou melhor, o árbitro é ele, certa ou errada a decisão que irá figurar na súmula é sua, de sua exclusiva responsabilidade. E não poderá ser modificada. Se o bom goleiro precisa de sorte, o árbitro muito mais. Já os críticos de arbitragem, podem ter a opinião do jogo contraria a do árbitro, pôr uma visão pouco confiável pelo grau de conhecimento destes críticos, que são na maioria leigos à regra do jogo, em outras oportunidades eles já estão sob efeito de bebidas alcoólicas, e age sempre com o coração deixando a razão de lado, e em caso de derrota de seu time a frase mais comum a ser ouvidas deles: “A culpa é sua, seu juiz ladrão.” Profissão: “Juiz de Futebol.”

“Juiz de futebol” texto readaptado da crônica escrita pelo Roque Citadini, colunista do jornal O Expresso.

Um comentário:

Caicão disse...

desejo saber qualfoi o juizque fez gol emjogo?