21 de jun de 2011

Árbitra canadense é proibida de apitar por causa de sua religião

Árbitra Sarah Benkirane - usando Hijab
Uma ex-árbitra de futebol de Lac Saint Louis, no estado de Quebec no Canadá, foi proibida de exercer a nobre função  por conta de sua religião.

Sarah Benkirane, após dois anos trabalhando para a associação de futebol local, foi informada que não apitaria mais, devido a uma reclamação feita contra ela por usar o “hijab” durantes as partidas. O “hijab” é uma vestimenta típica muçulmana que cobre a cabeça da mulher.

- Para min não é uma opção tirar o hijab. É parte da minha religião, parte de quem sou. Portanto eu não deveria ser proibida de usar o hijab, contanto que eu não esteja causando dano a alguém, e eu não estou. – explicou Sarah sobre sua tradição religiosa e o uso da veste.

Segundo a regra 4 do futebol, os jogadores não apenas devem evitar o uso de qualquer item que seja perigoso, mas também não podem usar qualquer artigo que tenha carater político, religioso ou pessoal. Todas as regras para os jogadres se aplicam aos árbitros também. Edouard St. Lo, diretor executivo da Associação de Futebol de Lac Saint Louis Soccer disse concordar com os regulamentos.

- Não é apenas por segurança, é por falar sobre política, religião e qualquer tipo de mensagem pessoal que se deseja passar em campo. É por isso que todos devem usar a mesma coisa. – disse Edouard.

Alguns pais dos jovens jogadores locais concordam. – “As regras não podem ser quebradas… se forem, o que mais poderá acontecer no futuro?” – disse uma mãe.

Sarah, no entanto, ganhou apoio de alguns pais que assinaram uma petição permitindo-a apitar com a veste. “Ela deveria poder apitar com a veste, é uma escolha dela” – disse uma outra mãe.

- O problema do hijab não é a segurança, pois ele é preso na camisa, sem pinos ou alfinetes – comentou Sarah.

A recusa da FIFA de mudar sua posição com relação ao “hijab” está causando um impacto internacional. A seleção feminina do Irã foi desclassificada do torneio Olímpico porque usaram os “hijabs” e não chapéus ou bonés aprovados. Sarah disse que tais bonés não respeitam o costume do Islã.

- Para nós, também deve cobrir o pescoço, e um boné o deixaria à mostra. Então não, não acho que isso seja uma opção.

Fonte: ctvmontreal.ca

Um comentário:

Douglas Perez disse...

Bela matéria!!!

Mas se existem regras para os jogadores, creio que para os árbitros tenha que ser igual. E tem mais se ela estivesse no seu país aonde a religião é seguida, nada mais justo ela usar o hijab.Mas como vive no Canada ela que abra mão da sua religião e apite como qualquer outro árbitro.

Abs

Douglas Perez