26 de mai de 2011

Santos x Cerro Portenõ – Ação do árbitro assistente no momento mágico.

Particularmente não gosto de comentar ou dar cutucadas nas atuações de companheiros da nobre função, quer na ativa ou em sua merecida aposentadoria.

Assistindo pela televisão a partida entre Santos (Brasil) x Cerro Portenõ (Paraguai), jogo de ida da semifinal da Copa Libertadores da América, observei um erro do comentarista de arbitragem, árbitro de renome internacional, considerado um dos melhor árbitro (regra 05) do mundo entre 1987-2011 pela Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (em inglês: International Federation of Football History & Statistics - IFFHS), quando no momento mágico da partida (gol – regra 10) ele ressalta que o árbitro assistente Pablo Fandiño (Uruguai) equivocadamente levantou o seu instrumento de trabalho dando a impressão que houve uma irregularidade no lance.

Vamos tentar ilustrar este momento mágico - Neymar avança paralelamente a linha lateral da área penal (solo sagrado – regra 01) dentro da mesma e faz um cruzamento aéreo que chega ao seu companheiro de equipe Edu Dracena que de cabeça lança a bola (regra 02) para dentro da meta adversária, antes de entrar a mesma rebate no travessão e ultrapassa por inteira a linha de meta, porém deixando a dúvida se realmente entrou por completo.

De acordo com a Carta Magna (Interpretação das regras do jogo e diretrizes para árbitro – Posicionamento do árbitro assistente) a ação do árbitro assistente de levantar seu instrumento foi correta, vamos ao texto: Situações de "gol ou não gol" - Quando um gol for marcado, mas a bola parecer ainda estar em jogo, o árbitro assistente deve primeiramente levantar sua bandeira para atrair a atenção do árbitro e, então, continuar com o procedimento normal de correr rapidamente 25-30 metros pela linha lateral em direção à linha de meio-campo.

Pablo Fandiño teve a correta leitura da jogada bem como do texto, entretanto como a mídia esportiva é formadora de opinião, este comentário equivocado do comentarista certamente irá influenciar aqueles que não possuem o conhecimento da Carta Magna, a debater de forma rígida quando a mesma situação ocorrer em um jogo de futebol não profissional (várzea) onde não aceitaram tal conduta do assistente, alegando que ouviu na televisão que ao levantar seu instrumento o “bandeirinha” anotou uma irregularidade na jogada, isso é ruim para o futebol,

A mídia esportiva mais uma vez demostra seu desconhecimento da Carta Magna do seu principal produto, são comentários deste tipo eleva ainda mais animosidade do torcedor em relação a nobre função.

Por Valter Ferreira Mariano
Foto: Árbitra Assistente Amy Mahan - Estados Unidos

3 comentários:

RF-PRO disse...

Ae Valter!

Bela observação! Realmente este tipo de situação atrapalha os jogos de várzea, uma vez que dificilmente, nós expectadores, duvidamos da credibilidade das informações que nos é passada através de um representante da profissão (árbitro) de uma influente emissora de televisão. Eles precisam se reciclar também!

Grande abraço, até mais!

Assinado: Felipe Fernandes

Clodoaldo Cardoso de Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Clodoaldo Cardoso de Oliveira disse...

Boa tarde Vartao td bem ?

Em seguida ao comentário equivocado do Ex-árbitro de futebol Sr José Roberto Wright, "ilibado e que nunca cometeu nenhum erro em nenhuma partida", assim se denomina no Twitter, mandei várias mensagens pelo twitter pra o mesmo dizendo que ele estava equívocado e que deveria se atualizar, inclusive mandei o link do livro de regras quen na Interpretação das Regras do Jogo e Diretrizes p/ Árbitros pag 74 - Quando um gol for marcado, mas a bola parecer ainda estar em jogo, o ÁRBITRO ASSISTENTE deve primeiramente levantar sua bandeira para atrair a atenção do árbitro e, então, continuar com o procedimento normal de correr rapidamente 25-30 metros pela linha lateral em direção à linha de meio-campo.
Infelizmente alguns árbitros após término da carreira não conseguem exercer outra função e se sujeitam a ser "pau mandado" das emissoras de TV, deveriam estar ali para esclarecerem as dúvidas e com a experiência vivida dentro de campo de jogo livrar a barra do árbitro tanto nos erros como nos acertos mais sabemos que alguns comentarista criticam os árbitros mesmo sabendo da dificil missão que é arbitrar uma partida de futebol principalmente atualmente pois os comentarista possuem recursos eletrônicos e poucos se arriscam a opiniar antes de rever o lance atraves do recurso REPLAY.
E no final das contas "quem paga o pato" somos nos árbitros do futebol não profissional pois maioria dos jogadores, treinadores e torcedores acompanham os jogos profissionais pela TV e se por acaso acontecer um lance identico a este do jogo Santos x Cerro Portenõ em campeonatos que atuamos com certeza ouviremos a velha frase "mais na TV falaram que o bandeirinha errou".
Coisas da mídia que so visa alcancar a liderança do IBOPE e conseguir mais patrocinadores para sua grade de programação.

Abrass