25 de mai de 2011

Por que ser árbitro de futebol?


Gabriela Dananae - Romenia
A vida desse profissional não é fácil: antes mesmo de o jogo começar, a torcida já xinga a mãe dele... "O melhor árbitro (regra 05) é aquele que erra o menos possível. Não tem jeito de não errar, isso não existe", diz o ex-árbitro de futebol, Márcio Campos Sales. Se você quer dar cartão vermelho (expulsão – regra 12) para as profissões tradicionais, experimente esta aqui!

 
Formação - Graduação e pós-graduação: Não é necessário ter curso superior.

Outros cursos:  Há escolas ligadas às federações estaduais de futebol que habilitam os interessados em ser juiz (árbitro) ou bandeirinha (árbitro assistente – regra 06).

O que se aprende: Regras do jogo (Carta Magna), outros idiomas, noções de preparação física, redação de súmulas e relatórios, psicologia do esporte.

Trabalho - Área de atuação: Dá para trabalhar só no futebol amador (campeonatos de clubes, associações etc.) ou ser ligado a uma federação estadual. Nesse caso, começa-se apitando torneios de categorias de base (infantil, juvenil), depois partidas da terceira, quarta divisão; só após alguns anos de experiência é possível trabalhar em jogos de primeira linha.

Dia-a-dia: É preciso chegar com horas de antecedência ao estádio para cumprir a parte burocrática: preencher súmula e vistoriar o campo. (solo sagrado – regra 01) Algumas horas após o fim da partida (regra 08), o árbitro entrega um relatório sobre o jogo.

Situação do mercado: A procura pelos cursos tem sido grande, inclusive entre as mulheres. Como o número de jogos, nas diversas categorias, é elevado, há muito serviço.

O que vale mais a pena: A oportunidade de trabalhar com o futebol, mesmo sem ter habilidade para ser um bom jogador, e a possibilidade de viajar pelo Brasil e outros países.

Por que pensar duas vezes: É um trabalho solitário e com datas e horários irregulares. Como a atividade não é regulamentada, muitos árbitros têm outros empregos.


Fonte: Abril.com.br
Materia enviada pelo companheiro da nobre função - Clodoaldo Cardoso de Oliveira
Foto: Gabriela Dananae - Árbitro Assistente - Bucareste - Romenia

Um comentário:

Sandro J. Barbosa (@sandrojbarbosa) disse...

Sem contar também que trabalhar com arbitragem faz com que sejam desenvolvidas algumas habilidades que você pode usar em outras áreas profissionais, são elas: tomada de decisão rápida, saber trabalhar sobre pressão, liderança, postura e flexibilidade para tratar pessoas de diversos níveis e educação.