25 de jun de 2012

RUMO AO SUCESSO DENTRO DO UNIVERSO DA ARBITRAGEM DE FUTEBOL.


Para se obtiver sucesso dentro do universo da arbitragem de futebol não importa a formação acadêmica do árbitro e nem sua vasta experiência dentro do solo sagrado (campo de jogo – regra 01), o que realmente vai fazer a diferencia será sua dedicação a nobre arte de apitar.


Uma analise pessoal de seu desempenho a cada jogo pode fornecer dados importantes para rever alguns conceito e postura que estão inibindo sua caminhada dentro da nobre função, assim pode a si mesmo corrigir, dando passos seguros rumo ao sucesso.

Árbitro: Luis Wilson Seneme - FIFA/SP - Brasil


Sua dedicação será o retrato de sua imagem dentro do solo sagrado, terá que abrir mão de uma vida social noturna, daquelas cervejas de fim de semana, não terá ao logo da carreira direito de esta sempre com sua família aos domingos, pois sua dedicação terá que ser extrema e incansável, as horas dedicadas não será de valia se elas não forem eficientes e bem aproveitadas.

Focar e trançar seus objetivos são maneiras de seguir rumo ao sucesso, estes objetivos não pode em nenhum momento ser confundido com sonhos, objetivos são reais, são tangíveis, tem forma clara e são planejados, pode ser perfeitamente alcançados e realizados.

Certo de seus objetivos cabe ao árbitro demostrar sua dedicação a nobre função, será ela que vai mostrar o caminho rumo ao sucesso dentro do universo da arbitragem de futebol.

Por Valter Ferreira Mariano

21 de jun de 2012

O árbitro é um líder, eis a questão.


Os intensos investimentos em futebol em sua esmagadora maioria são restritos aos clubes, que faz na logística e recursos humanos. Mas com o passar do tempo verifica-se que os investimentos devem ir mais além que estes quesitos, pois uma figura que passa despercebida e que é tão antigo quanto o próprio futebol, mas não há o investimento mínimo para que o esporte seja um espetáculo, sem intervenções e apenas com a aplicação das regras do jogo, que move paixões e cifrões. Esta pessoa é o árbitro de futebol.

Treinamento - árbitros - FIFA/CBF  São Paulo



Segundo alguns estudos, há cerca de oitenta mil árbitros de futebol em diversos campeonatos ao redor do mundo. O árbitro é tão importante para o futebol, que sem ele não pode ocorrer uma partida, isto é orientação da Internacional Football Association Board, e não apenas um, mas uma equipe completa, árbitro, árbitros assistentes, quarto árbitro, árbitros adicionais, observadores, e outros entendedores das regras do jogo.

Não é regra, mas nós árbitros, ainda somos tratados como “coisas”. É claro que os produtos e serviços são indispensáveis e ajuda muito em nossas vidas, é quase impensável vivermos sem computador, sem internet e outras “coisas” modernas.

Mas muitas federações visualizaram este problema e está dando, em pequenos passos, o aprimoramento mínimo para que possamos ter dignidade de sermos árbitros de futebol. Pois, se não houver este aprimoramento contínuo, corremos o risco de nos tornarmos em menor ou maior grau, pessoas “coisificadas”.

O árbitro de futebol foi criado para ajudar o esporte, para cumprir as regras e fazer com que estas sejam cumpridas. Suas decisões não podem ser contestadas, são sem apelo. São tantos os fatores que podem interferir em uma arbitragem que fica difícil discuti-los todos aqui, mas com o aprimoramento ideal, as federações podem minimizar estas interferências a quase zero.

Os árbitros não são coadjuvantes, são pessoas, em sua maioria, altamente especializadas e capacitadas no que faz, que concorre para um fim comum, que é fazer de uma partida de futebol um espetáculo cada vez melhor.

Até a próxima!
Prof. Mauro Viana

13 de jun de 2012

O ÁRBITRO


O árbitro de futebol popularmente chamado de juiz é o responsável por fazer cumprir a Carta Magna do Futebol (Livro de Regras), o regulamento e o espírito do jogo, intervir sempre que necessário, no caso quando uma regra é violada ou algo incomum ocorre. Geralmente os árbitros são designados ou nomeados pelas confederações, federações e ou associações que estão inscritos.

Ao centro o árbitro Alexandre Freitas Ferreira eleito melhor árbitro da 13ª Copa Metropolitana de Futebol Amador - RMC

 No futebol, esporte regulado pela FIFA, a figura do árbitro está prevista na regra cinco da Carta Magna. A partida de futebol também conta a presença de mais dois árbitros assistentes, também conhecidos como bandeirinhas, e com um quarto árbitro (ou árbitro reserva), em algumas competições oficiais com autorização da FIFA têm mais dois árbitros que são chamados de adicionais.

Cada regulamento de competição determina quem deverá substituir quem, caso algum dos componentes da equipe de arbitragem não se sinta bem, se lese ou falte à partida à qual foi designado. Os árbitros assistentes estão previstos na regra seis.

 As regras do jogo são revistas e, se necessário, modificadas, na reunião anual realizada pela entidade International Football Association Board (IFAB). Esta entidade é composta por oito cadeiras: quatro da FIFA e mais quatro dos países fundadores (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda).

Cada partida é dirigida por um árbitro, o qual terá autoridade total para fazer cumprir as regras do jogo para o qual tenha sido designado. Ele trabalhará em cooperação com os árbitros assistentes e o quarto árbitro.

Segundo a regra, as decisões do árbitro sobre fatos em relação ao jogo são definitivas. O árbitro poderá modificar a sua decisão unicamente quando percebe que é incorreta ou, se o julga necessário, conforme uma indicação por parte de um árbitro assistente, sempre que ainda não tenha reiniciado ou terminado a partida.

No Brasil, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) é quem publica e faz cumprir as determinações expedidas pela FIFA. A Carta Magna do Futebol pode ser encontrada no site: CBF (Livro de regras)

Por Valter Ferreira Mariano

5 de jun de 2012

A VIDA DO ÁRBITRO

Aqui neste espaço vamos falar dos árbitros, casos no campo de jogo, coisas do cotidiano, histórias engraçadas, relatos pessoais, enfim, um pouco da vida e dificuldades deste profissional que depois que o futebol ficou coisa muito séria, e entrou para o acervo cultural e afetivo de grande parte da população, se tornou personagem importante do nosso dia-dia.



Até saltar faz parte da vida dos árbitros. 
Nelson Rodrigues dizia que, sem paixão, não se chupa nem um CHICABON e se tem alguma profissão que necessariamente não se executa só por dinheiro, esta sem duvida é a do árbitro.

No futebol de hoje, o famigerado futebol moderno, a força tomou lugar da arte, e quando se perde a beleza dentro das quatro linhas, a figura do árbitro tem que se sobre sair. Árbitro bom é aquele que não aparece, mas como a maioria dos treinadores, adotaram o lema de obter a vitória a qualquer custo, o árbitro tem que sair do anonimato preferido por todos, agir de forma correta e transparente, gerando assim problemas de relacionamentos que o transforma quase sempre no vilão do confronto.

Passa o ressentimento a ser então, um adversário imenso deste profissional, infelizmente o seu temperamento pessoal passou a ser mais célebre e valorizado, que os seus conhecimentos de regras ou o seu preparo físico, reflexo triste para quem se preparou para dar tudo de si, e estar sempre o mais próximo possível do lance ou da jogada.

O futebol ficou político, e hoje além das regras, o árbitro tem que ter cintura de bambolê, entretanto, todos sabem que o escaninho do cérebro humano ainda é um grande labirinto para nós, mas longe dos interesses mesquinhos e das intrigas, este espaço aqui não virá tratar destas coisas, será um espaço leve, engraçado, com intuito de mostrar o lado humano e normal deste profissional.

Para os salteadores e intrigueiros que vivem da rapina de incauto e desprevenidos seres do apito, irá se surpreender aqui neste canto de página, com o lado doce e amigável destes homens que largam suas famílias e filhos, todos os sábados pela manhã para administrar frustrações que quase sempre, nada tem haver com o futebol, e sim, sentimentos represados ao longo da semana, que precisam ser libertados de alguma forma no sábado pela manhã e dormindo com os sonhos que seriam muito felizes se tivessem que coordenar somente as crianças para o certo e errado, é que este espaço surgiu, com intuito de levar alegria e a revanche com um contra-ataque rápido, neste jogo onde quase sempre este profissional, já entra perdendo.

Por Walter Neves

O ÁRBITRO DE FUTEBOL MODERNO


Em nenhum momento na historia do universo da arbitragem de futebol, o árbitro (regra 05) foi tão testado e colocado à prova em suas decisões.

Árbitro português Pedro Proença - árbitro moderno 

Observando este novo comportamento da sociedade futebolística o árbitro moderno não pode mais ser acomodado, desmotivado e sem aspiração para apitar um jogo de futebol.

Hoje o futebol exige um árbitro de coragem com atitudes firmes, sem medo de errar, pois se errar tem que encarar este erro como sendo da sua natureza humana, seguir em frente, sem titubear, demostrando a todos sua autoridade, passando a imagem de conhecedor da Carta Magna do Futebol (Livro de Regras) e não de um regente soberano querendo ditar a qualquer custo sua autoridade.
                                                                                           
O árbitro tem que ter vontade de vencer dentro do universo da arbitragem, ousadia para sobre sair em relação aos demais nobres companheiros, um perfeito equilíbrio emocional e um ótimo humor, pois sorrir faz muito bem a saúde, o humor é um membro da felicidade.

Em nenhum momento da sua carreira o árbitro deve ter a sensação que é top de linha, que já aprendeu de tudo e conhece mais que seu companheiro e que o trabalho em equipe é para os iniciantes, lembra, é apenas sensação e como tal é passageira, assim agindo vai ser apenas um árbitro de momento, de uma só partida.

Por Valter Ferreira Mariano
Imagem: Blog  Record